ELIAS RICARDO SANDE

ELIAS RICARDO SANDE
PSICOLOGO SOCIAL E DAS ORGANIZACOES

segunda-feira, 10 de março de 2014

Linguagem Cientifica



Texto de Apoio
Organizado por Elias Ricardo Sande
Maputo, 2011

LINGUAGEM CIENTÍFICA

Psicólogos e cientistas do comportamento são pessoas comuns que usam linguagem coloquial no seu dia-a-dia, mas na sua actividade profissional, quando estão interessados em descrever, explicar e alterar o comportamento, devem usar uma linguagem científica.
Observações comportamentais devem ser descritas utilizando-se uma linguagem científica para facilitar a comunicação entre psicólogos, modificadores do comportamento e pesquisadores.


Conceito
É um tipo de linguagem específica utilizado no contexto da ciência, que busca a descrição fidedigna do fenómeno descrito e/ou estudado, assim como a comunicação clara entre os cientistas e profissionais que a usam.

Pode ser usada em revistas científicas, resumos de congressos, reuniões científicas e nos registos de observações comportamentais.
·        É objetiva.
·        É clara e exacta (precisa).

CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM CIENTÍFICA
Objectividade
-Ausência de impressões subjectivas que se referem a eventos ou características que não foram, de facto, observados. A linguagem científica deve reproduzir o que realmente aconteceu e/ou foi dito.

-É uma das características principais da linguagem científica, uma vez que permite a aproximação da realidade.

-Distingue o relato científico de outros tipos de relato, que têm como objectivo expressar a opinião das pessoas. O relato científico não busca a expressão das opiniões pessoais do cientista, mas a descrição do fenómeno estudado.

-No contexto da observação do comportamento, elimina as divergências entre observadores diferentes, na medida em que descreve exactamente as acções que aconteceram. Ou seja, a objectividade permite a fidedignidade nas observações.

PRINCIPAIS ERROS CONTRA A OBJECTIVIDADE
-Utilização de termos que designem estados subjectivos, como ‘triste’, ‘cansado’, ‘alegre’, etc.
Por exemplo: Ao invés de registar ‘S está alegre’, o observador deve registar ‘S sorri, bate o pé direito no chão acompanhando o ritmo da música’.
-Atribuição de intenções ao sujeito. O observador deve descrever ou registar o comportamento e as circunstâncias em que ele ocorre, sem  interpretar as ‘intenções’ do sujeito. Por exemplo: Ao invés de registar ‘S tenta pedir um lugar aos passageiros’, o observador deve registar ‘S vira a cabeça em direcção aos passageiros’.

-Atribuição de finalidades à acção observada. O observador deve descrever ou registar o comportamento e as circunstâncias em que ele ocorre, sem atribuir uma finalidade ou objectivo ao comportamento observado.
Por exemplo: Ao invés de registar ‘S fecha a porta porque venta’, o observador deve registar ‘S fecha a porta. Venta lá fora.’

CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM CIENTÍFICA
Clareza e exactidão (precisão):
-Uso de uma linguagem de fácil compreensão (linguagem clara), e que represente as coisas com exactidão (linguagem precisa).
-A linguagem clara e precisa:
-Obedece os critérios de estrutura gramatical do idioma.
-Usa termos cujo significado não é ambíguo.
-Indica as propriedades definidoras dos termos, fornecendo referências quantitativas e empíricas.

PRINCIPAIS ERROS CONTRA A CLAREZA E EXATIDÃO (PRECISÃO)
-Uso de termos amplos, cujo significado inclui uma série de acções. O observador, em lugar de utilizar termos amplos, deve especificar os comportamentos apresentados pelo sujeito.
Por exemplo: Ao invés de registar ‘o menino brinca com a bola’, o observador deve registar ‘o menino anda em direcção à bola, pega a bola, joga-a no chão, chuta-a com o pé’.

-Uso de termos indefinidos, que não identificam o objecto ou identificam parcialmente os atributos do objecto. O observador, em lugar de utilizar termos indefinidos ou vagos, deve especificar o objecto ao qual a acção é dirigida, e fornecer os referenciais físicos utilizados para a descrição dos atributos do objecto; referenciais relativos a cor, tamanho, direcção, etc.
Por exemplo: Ao invés de registar ‘bola pequena’, o observador deve registar ‘uma bola de 20 cm de diâmetro’.

-Uso de termos ou expressões ambíguas, que podem dificultar a compreensão.
-O observador deve usar termos adicionais que indiquem precisamente a que ou quem um termo determinado se refere.
Por exemplo: Ao invés de registar ‘o menino pegou a bola. Encostou na parede’, o observador deve registar ‘o menino pegou a bola. O menino se encostou na parede’.

-A linguagem científica tem duas características fundamentais: objectividade, e clareza e exactidão (precisão).

Um relato objectivo evita:
a) utilizar termos que designem estados subjectivos;
b) interpretar as intenções do sujeito;
c) interpretar as finalidades da acção.

Para um relato ser claro e preciso deve-se evitar:
a) termos amplos;
b) termos indefinidos;
c) termos ou expressões ambíguas.

3 comentários:

Postar um comentário